Música de linguagem e estilo

Quê sonho!…

Não compôr música com todos os recursos da criatividade, o espírito se trans-literalizando em notas, ritmos, melodia, acorde. Compor um texto, cujas palavras são ritmos, cujas letras são notas, ritmo, melodia, acorde compostos de metáforas, semânticas, linguísticas. Música é poesia e poesia é música. Mas esta música executada pelo piano dos desejos, esperanças, volos, pela cítara das quimeras, sorrelfas, fantasias, pela harpa das dores e sofrimentos da alma, pelo violino das dimensões sensíveis, uma música executada no in-finito do espírito, ouvido contingente sendo impossível ouvi-la, só o ouvido inaudito do silêncio do som. Música de letras, música de metáforas, música de linguagem e estilo prosaico.

Quiçá sonhos significam inauditos que o In-fin-itivo dos verbos trazem em si dentro, e no sentir-lhes o ser, floram-se na floração da espiritualidade! Quiçá o sejam, não sendo-sendo quiméricas sorrelfas da inspiração que tudo trans-cende, trans-literaliza, trans-eleva aos auspicios do In-finito.

Sonho, além dos sonhos dentro de outros que são luzes que nos circundam ao longo das sendas, trazemos no mais re-côndito esperando o instante de ser a-nunciado, revelado em toda a sua ampl-itude.

Este sonho trago em mim, sempre latente de sua vida percorrendo in-finitos, universos, horizontes, esplendendo suas luzes, numinando os campos.

Fechar os olhos, deixar o espírito fluir leve, livre, no seu recôndito compondo uma música de espiritualidade, pres-ent-ificados dons e talentos, sensibilidade na confecção de lírica, versos e estrofes representando o que o inaudito traz de genesis para a re-novação e evangelização das esperanças, embora as dificuldades que se apresentam neste instante de composição e criação, alfim música e lírica nascendo em uníssono é arte das mais complexas, mas os querubins da magia se pres-entificam, música e lírica são compostas com excelência de magias e perfeições, resta executá-la no piano, acompanhada da cítara, da harpa, do violino para a extasia do ouvinte, sentir o espírito florar-se na floração de seus sentimentos e emoções.

Por vezes, quando me sinto sensibilizado, leio alguns excertos de texto, sentindo-lhe intimo a presença da música, ouço-lhe, mas me sinto inda carente da música de palavras, de letras. Digo-me circunspecto: “É um sonho que pode ser transliteralizado em inúmeras dimensões, deixando-lhe florar-se na sua floração de espiritualidade. O universo ouve, o horizonte escuta, o infinito sente-se-lhes nos recônditos mais íntimos…”

(**RIO DE JANEIRO**, 23 DE JANEIRO DE 2018)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.